Formações

O Advento: tempo de conversão

O Advento é a preparação/espera para celebrar o Natal. Nosso Salvador Se fez um pequeno menino para nos redimir, para manifestar a doçura da presença de “Deus conosco” (Mt 1,23). Ao mesmo tempo, é preparação/espera para a segunda vinda de Nosso Senhor.

Advento é tempo de penitência

O Ano Litúrgico gira em torno de duas grandes celebrações: Natal e Páscoa. Mas, para que estes dois grandes acontecimentos sejam celebrados de uma maneira digna, genuinamente cristã, existe um período de preparação: a quaresma para a Páscoa e o advento para o Natal. O advento, por incrível que pareça, é um tempo penitencial (a cor da estola é roxa). É claro que é menos penitencial do que a quaresma, mas é penitencial.

O que seria essa preparação para o Natal? Pense o seguinte: como o Natal deveria ser vivido e celebrado? Com que espírito eu deveria acordar e viver no dia 25 de dezembro? Natal lembra a vitória da luz: por causa de Cristo a nossa vida pode ser uma vida iluminada e iluminadora. Então, se o Natal lembra a luz (veja como aumenta a iluminação nas nossas cidades), a melhor preparação para o mesmo exige um retirar de dentro de nós tudo o que não é luz.

Advento é tempo de arrumar a casa interior, arrumar a nossa vida em família, reorientar nossos projetos, readquirir confiança em Deus, na vida, nas pessoas e em si mesmo. Por isso, o advento inclui uma necessidade de intensificação da vida cristã: novena de natal, perdão dos pecados, mais oração e leitura bíblica, mais fraternidade e solidariedade.

As Celebrações do Advento

Advento deve ser celebrado com sobriedade e com discreta alegria. Não se canta o Glória, para que na festa do Natal, nos unamos aos anjos e entoemos este hino como algo novo, dando glória a Deus pela salvação que realiza no meio de nós. Pelo mesmo motivo, o diretório litúrgico da CNBB orienta que flores e instrumentos sejam usados com moderação, para que não seja antecipada a plena alegria do Natal de Jesus. 

As vestes litúrgicas (casula, estola, etc.) são de cor roxa, bem como o pano que recobre o ambão, como sinal de conversão em preparação para a festa do Natal, com exceção do terceiro domingo do Advento, Domingo da Alegria ou Domingo Gaudete, cuja cor tradicionalmente usada é a rósea, em substituição ao roxo, para revelar a alegria da vinda do Libertador, que está bem próxima e se refere à segunda leitura que diz: “Alegrai-vos sempre no Senhor. Repito, alegrai-vos, pois o Senhor está perto”. (Fl 4, 4). 

Vários símbolos do Advento nos ajudam a mergulhar no mistério da encarnação e a vivenciar melhor este tempo:

1. A coroa pode ser pendurada no presbitério, colocada no canto do altar ou em qualquer outro lugar visível.
2. A luz nascente indica a proximidade do Natal, quando Cristo, Salvador e Luz do mundo, brilhará para toda a humanidade, e representa também nossa fé e nossa alegria pelo Deus que vem.
3. O círculo, sem começo e sem fim, simboliza a eternidade; os ramos sempre verdes são sinais de esperança e da vida nova que Cristo trará e que não passa.
4. A fita vermelha que enfeita a coroa representa o amor de Deus que nos envolve e a manifestação do nosso amor, que espera ansioso o nascimento do Filho de Deus.
5. A cor roxa das velas nos convida a purificar nossos corações em preparação para acolher o Cristo que vem.
6. A vela de cor rosa nos chama à alegria, pois o Senhor está próximo.
7. Os detalhes dourados prefiguram a glória do Reino que virá.

Nas duas primeiras semanas do Advento, a liturgia expressa o aspecto escatológico do Advento, colocando nos corações a alegre expectativa pela segunda vinda de Cristo. Nas semanas seguintes, a Igreja nos prepara diretamente para a celebração do Natal do Senhor. 

O ato de acender as velas pode ser colocado no início da celebração eucarística, no início da liturgia da palavra ou em qualquer outro momento, desde que se harmonize com a celebração. Em qualquer caso, deve ser um momento que celebra o caminho de espera do Senhor. O acender das velas deve ser acompanhado de uma oração própria e de um canto, o mesmo para os quatro domingos.

No primeiro domingo deste tempo litúrgico, acende-se a primeira vela, que simboliza o perdão a Adão e a Eva.

No segundo domingo, a segunda vela acesa representa a  dos patriarcas. Eles creram no dom da terra prometida.

terceira vela simboliza a alegria do rei David, que celebrou a aliança e sua continuidade.

última vela, acesa no último domingo, ou seja, que antecede o Natal, representa o ensinamento dos profetas que anunciaram um reino de paz e justiça.

Fontes: https://pss.org.br/2013/12/06/advento-e-tempo-de-penitencia/

https://www.a12.com/redacaoa12/liturgia/a-celebracao-do-advento